BACTÉRIAS MARINHAS CRIAM REDE ELÉTRICA COOPERATIVA

No filme Avatar, as árvores dos bosques de Pandora se comunicavam entre si através de uma rede energética global formada por suas proprias raízes… Pois essa noticia mostra que aquí na terra, umas simples bacterias, muito menos complexas que uma árvore, sao capazes de comunicar-se por meio de uma serie de impulsos electroquímicos que, de fato, formam uma rede elétrica nos fundos marinhos em que vivem. Publicado em Nature, onde foi realizado por um grupo de investigadores da universidade dinamarquesa de Aarhus.
Imagine duas pessoas que estão a 20 km de distância uma da outra, uma comendo sem respirar, outra só respirando sem comer e ambas mantidas vivas por uma corrente elétrica entre elas.
A comparação dá uma ideia da surpreendente rede elétrica montada por bactérias do fundo do mar, que acaba de ser flagrada pelos cientistas, embora ela tenha apenas 12 milímetros de extensão.
O fenômeno é “verdadeiramente espantoso”, disse o pesquisador Kenneth Nealson, da Universidade da Califórnia, em comentário sobre a descoberta na revista “Nature”.
Camadas de sedimento abrigam bactérias “eletrificadas”, que cooperam numa rede com atividades diferentes.
20 km
“Para um humano, 12 milímetros não parecem ser uma distância tão grande. Mas, para uma bactéria, isso significa 10 mil vezes o comprimento de suas células, equivalente a 20 km em termos humanos”, escreveu.
A comparação com pessoas não é tão maluca assim, pois “comer” e “respirar” são atividades que elas compartilham com bactérias aeróbicas.
Seres vivos obtêm energia a partir de comida, “queimada” com o oxigênio da respiração. Elétrons da comida são transferidos ao oxigênio nesse processo.
A equipe chefiada por Lars Peter Nielsen, da Universidade de Aarhus, na Dinamarca, mostrou que bactérias separadas por longas distâncias transmitem elétrons entre si.
Eles coletaram sedimentos do fundo da baía de Aarhus e fizeram experimentos, quando descobriram a inusitada cooperação entre bactérias na superfície dos sedimentos e outras em camadas mais abaixo.
As bactérias do fundo “comem” substâncias orgânicas e sulfeto de hidrogênio em uma região sem oxigênio, o qual se concentra na água imediatamente acima dos sedimentos.
De algum modo, os elétrons produzidos no fundo sobem para reagir com o oxigênio.
Os experimentos mostraram que, nas amostras sem oxigênio na superfície dos sedimentos, o sulfeto de hidrogênio no fundo era “comido” de modo mais lento, acumulando-se. Quando se voltava a adicionar oxigênio, caíam os níveis do sulfeto.
Paradoxo
“Vimos como processos usando oxigênio eram ligados ou desligados a uma boa distância no fundo do mar quando adicionávamos ou removíamos oxigênio na superfície. Entretanto, nós sabíamos que esse oxigênio nunca chegava ao fundo até as bactérias que o usavam”, explica Nielsen.
“Era impossível resolver esse paradoxo até que surgiu a ideia maluca de que o fundo do mar está entrelaçado com fios elétricos naturalmente gerados”, completa ele.
Ou seja, todas as bactérias envolvidas obtêm energia, umas só “comendo”, outras só “respirando”, ligadas por correntes elétricas e criando uma espécie de “biogeobateria”.
O próximo passo é descobrir como são feitas as conexões, que podem ser importantes para a formação e a reciclagem dos sedimentos marinhos.
(Fonte: Ricardo Bonalume Neto, da Folha de S. Paulo)
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s