O Brasil e o LIXO produzido

A grande diferença do Brasil e Europa (e países desenvolvidos) na questão do lixo ainda é a reciclagem e também a não preocupação com o lixo que se produz.Na Europa cada UM É RESPONSÁVEL pelo seu lixo, os recipientes ficam nas ruas, separadamente pelas cores amarelo (plástico, brik, latas), azul (papel), verde (vidro), marrom (orgânico) e cinza (lixo não reciclado). Em quase toda esquina se encontra e você mesmo faz a sua separação levando para os recipientes respectivos, logo será coletado por um caminhão mecânico, (claro somente conduzido por uma pessoa). Inclusive em cidades menores em que se pode ter mais controles, existem multas se a pessoa não faz a separação corretamente, ou seja, se não recicla adequadamente te “obriga” a fazer da maneira correta. (Claro que para isso, existiu um esclarecimento e orientação à população antes). Mais uma vez, cada UM É responsável pelo lixo que PRODUZ. E isso na verdade, somente nos torna mais consciente da quantidade de lixo que produzimos e mais respeitoso com a natureza porque quando se começa a separar as embalagens realmente se nota essa quantidade IMENSA de plásticos e papel que vem nos alimentos. Se a Europa consome mais pela maioria ter um nível de vida melhor, da mesma maneira também existe a consciência de valores, preocupações como levar sacolas desde casa para a compra, já que sacolas não são gratuitas. Isso já faz a diferença, embora não seja a solução. No Brasil além de ter uma maneira arcaica, com lixeiros coletando os sacos de lixos nas ruas(casa por casa), acredito que existe a grande despreocupação do brasileiro e por falta de incentivo, orientação e interesse dos políticos e da prefeitura para mudar essa realidade, talvez levará muitos e muitos anos ainda… até lá, continuará esse total desrespeito com a natureza e o entorno em que vivemos e a ignorância da população a esse respeito. As poucas pessoas que separam o lixo para reciclar fazem de uma maneira voluntaria e de maneira particular. Esse aumento do lixo se deve a melhora do sistema econômico no país, mas ao mesmo tempo o Brasileiro está preparado para essa melhora? Porque se consume mais e ao mesmo tempo se descarta com a mesma velocidade sem a mínima ideia a que isso leva, onde estão os políticos numa cena como esta?

Adnuntiatum
36% do lixo produzido pelos moradores do Rio de Janeiro vão
diretamente para o fundo de lagoas, rios e baias,
ou lixões clandestinos ou aterros irregulares.
Brasileiro produz tanto lixo quanto europeu, diz estudo (O Estado de S. Paulo, 26/05/2010)
O brasileiro já produz a mesma quantidade de lixo que um europeu. A melhoria do poder de compra dos brasileiros está fazendo com que a população do País produza cada vez mais lixo inorgânico, como embalagens, ao mesmo tempo em que a implantação de programas de coleta seletiva e os níveis de reciclagem não crescem na mesma medida. Os dados fazem parte do estudo Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2009, que será divulgado hoje, no Rio de Janeiro.
A média de geração de lixo no Brasil hoje é de 1,152 quilo por habitante ao dia, padrão próximo aos dos países da União Européia (UE), cuja média é de 1,2 kg ao dia por habitante. Nas grandes capitais, esse volume cresce ainda mais: Brasília é a campeã, com 1,698 kg de resíduos coletados por dia, seguida do Rio, com 1,617 kg/dia, e São Paulo, com 1,259 kg/dia. Além disso, o volume de lixo cresceu 7,7% em 2009 – foram 182 mil toneladas/dia produzidas ante 169 mil toneladas/dia no ano anterior.
O estudo, anual, abrange 364 municípios e foi realizado pela Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), entidade que reúne as empresas de coleta e destinação de resíduos. “Alcançamos um padrão europeu de geração de resíduos e estamos nos aproximando dos americanos (2,8 kg por habitante/dia). Infelizmente, isso está acontecendo sem alcançarmos o mesmo grau de desenvolvimento desses países”, afirma Carlos Roberto da Silva Filho, diretor executivo da Abrelpe.
De acordo com o levantamento, 56,8% desse lixo vai para aterros sanitários, 23,9% vai para aterros controlados (que não possuem tratamento de chorume) e 19,3% termina em lixões. Os aterros das grandes cidades, no entanto, caminham para a saturação.
About these ads

2 respostas em “O Brasil e o LIXO produzido

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s